Menu

Search
Close this search box.

NOSSO BLOG

Outubro Rosa: câncer de mama atinge uma em cada oito mulheres

Você sabia que o câncer de mama afeta uma em cada oito mulheres? Trata-se de uma doença comum, que precisa ser cada vez mais difundida no sentido de promover a prevenção e o diagnóstico precoce, o qual possibilita taxas de cura que passam de 90%. Por esse motivo, todos os anos a campanha Outubro Rosa ganha força em diversos setores da sociedade.

Pensando em esclarecer diferentes aspectos dessa neoplasia, de forma a contribuir com a conscientização sobre a doença, conversamos com a mastologista, Dra. Ana Carolina Marcondes Machado. Confira e conheça um pouco mais sobre os tumores mamários.

Toda mulher pode ter câncer de mama?

Sim, todas as mulheres estão sujeitas a essa doença. Vale destacar que algumas possuem fatores que elevam os riscos. São eles:

  • primeira gravidez após os 30 anos;
  • menarca precoce e menopausa tardia;
  • sobrepeso ou obesidade;
  • histórico familiar, principalmente em parentes de primeiro grau;
  • nuliparidade (ausência de filhos);
  • idade, sendo mais comum em mulheres acima dos 50 anos. Porém, isso não descarta a possibilidade de acometer as mais jovens;
  • uso de contraceptivo oral por períodos prolongados;
  • alguns tipos de reposição hormonal pós-menopausa.

Quais são os sintomas da doença?

Apesar do o câncer de mama normalmente não apresentar sintomas em seus estágios iniciais, quando as chances de cura são maiores, é importante ficar atento para:

  • nódulo no seio ou na axila, com ou sem dor;
  • alterações na pele da mama, que pode ficar com aspecto de casca de laranja;
  • saída de secreção pelo mamilo fora do período de lactação;
  • vermelhidão na pele da mama;
  • inchaço em parte da mama;
  • inversão do mamilo.

Como é feito o diagnóstico?

No caso de suspeita de alguma anormalidade na mama, seja pela própria mulher ou durante consulta e exames de rotina, podem ser realizados:

  • mamografia;
  • ultrassonografia;
  • ressonância magnética;
  • biópsia.

Caso a doença venha a ser diagnosticada, o próximo passo é fazer o estadiamento. Ou seja, verificar a sua extensão por meio de exames como tomografia computadorizada, cintilografia óssea e ressonância magnética.

Quais os tipos de tratamentos para o câncer de mama?

O tratamento recomendado irá depender de diversos fatores, como o tipo de tumor de mama, o estágio da doença, tamanho da lesão, se teve disseminação, idade da paciente, entre outros. Os tratamentos, que podem ser utilizados sozinhos ou combinados, são:

  • cirurgia;
  • radioterapia;
  • quimioterapia;
  • imunoterapia;
  • terapia alvo;
  • hormonioterapia.

Quando iniciar o rastreamento da doença?

Para que se tenha um diagnóstico precoce do câncer de mama, o indicado é que todas as mulheres a partir dos 40 anos realizem anualmente a mamografia e outros exames complementares (se necessário) de rastreamento.

No caso daquelas que possuem histórico familiar, o acompanhamento deve iniciar mais cedo, seja 10 anos antes do diagnóstico da parente ou aos 25 anos de idade.

Se você é uma mulher, como estão os seus cuidados com a saúde? Já fez seus exames de rotina este ano?

Nós do Centro de Oncologia do Paraná contamos com médicos do grupo por área de atuação (GAA) de tumores mamários, que prestam atendimento desde a prevenção até o tratamento do câncer de mama. Além disso, oferecemos todo o suporte multidisciplinar necessário.

Para mais informações e agendamento de consultas, entre em contato teremos muita satisfação em te atender!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *